Monday Tales (episode XXIV)

Fevereiro está quase no fim, mas sabe o que está longe de acabar? Isso mesmo, as fofocas da semana!

Choveu de novo, para variar. O Rio de Janeiro alagou, para variar. O prefeito está perdendo oportunidades de ficar calado, para variar. 

Hoje eu completei 2 meses sem tomar Dorflex. DOIS FREAKING MESES! A última vez foi quando virei a madrugada na boate e tive que tomar uma caixa inteira em uma semana para lidar com a dor.

Falando nisso, os convites do meu aniversário já foram distribuídos. Serão três oportunidades de me verem passando vergonha: o rodízio de pizzas, o open bar e provavelmente a pelada partida Fluminense x Nova Iguaçu do dia 11/03, dependendo da minha paciência e da companhia. Depende também de onde será a partida, porque não vou passar mais tempo no trânsito do que dentro do jogo. 

Falando no Flu, o sábado trouxe uma surpresa engraçada:

É claro que este placar não significa nada, mas foi bom porque vai agitar a torcida para o primeiro jogo do ano que está realmente valendo alguma coisa. Fluminense x Avaí disputam vaga na quarta fase da Copa do Brasil na próxima quinta-feira, dia 1º de março, às 19h, no Engenhão. Provavelmente terei que sair do trabalho direto para lá porque o trânsito ao redor daquele estádio já é uma porcaria mesmo em dias comuns, que dirá em dias de jogo. Não vai dar tempo de passar em casa antes. Se alguém que estiver lendo isso for, fala comigo. 

Ontem foi aniversário do meu irmão mais novo, de 24 anos, físico recém-formado pela Universidade Federal Fluminense. AJUDEM-ME A ARRANJAR UM EMPREGO PARA ESTE SER HUMANINHO

Feliz aniversário, maninho, e que seu time sempre perca pro meu de 4x0!

Uma publicação compartilhada por Ramon Melo (@ramonmelome) em

O Portal Aluno da UFRJ finalmente funcionou como se espera de uma Grande Universidade (piada interna). Minha grade está dolorosamente excruciante com 32 créditos (o limite máximo) e 24 horas de aula. Porém, se eu passar em tudo, poderei pedir o maldito diploma ainda em 2018, então torçam por mim. Provavelmente terei que rever meu ritmo de postagens por este blog, porque escrever todos os dias com esta carga de estudos (ainda tenho o trabalho, o inglês e o francês) provavelmente não será humanamente possível. 

Para facilitar a transição, pedi férias na semana do dia 12 de março, e, até por isso, as comemorações de aniversário não poderão se estender muito. Infelizmente, eleger prioridades faz parte do processo de amadurecimento

Em termos de diversão, Lucifer volta do hiato de três semanas hoje, mas não vou ter paciência de esperar para assistir. Ainda estou assistindo Grey's Anatomy, mas o ritmo reduziu muito porque retomei minhas leituras. Neste momento, estou lendo O País dos Petralhas (Reinaldo Azevedo, Editora Fronteira), Lolita (Vladimir Nabokov, Penguin Books) e Le Petit Prince (Antoine de Saint-Exupéry, já está no domínio público). Sim, estou lendo os três ao mesmo tempo. O primeiro é escrito num vocabulário excepcionalmente bom, de uma qualidade que eu não esperava do ex-jornalista da Veja, embora suas paranoias efetivamente transformem o livro de não-ficção numa fantasia esquizofrênica. Há uma mistura habilidosa de linguagem rebuscado e xingamentos viscerais que é particularmente rara na língua portuguesa. Tem sido o favorito para ler na cama e no transporte público, já que a maioria dos textos são curtos e superficiais. 

Lolita, por sua vez, é asquerosamente envolvente. Não consigo lê-lo em público. Hoje, enquanto lia no almoço, minha chefe abriu a porta e eu fechei o livro automaticamente, como num reflexo. Estou no capítulo 7 e o personagem principal já narrou em detalhes sórdidos demais duas cenas de estupro de vulnerável. Saber que este livro influenciou a geração dos meus pais explica muito do que há de errado com o país e o planeta. Mas persistirei porque estou escrevendo uma análise desta e de outras obras do século XX, e Nabokov é, de fato, um autor muito proficiente com as palavras. 

Bom, por hoje, acho que é só. Tenho algumas surpresas agendadas para esta semana, então fique atento(a). Nada demais, mas, ainda assim, de coração. Até a próxima!


 

Comments

There are currently no comments

New Comment