An Schizophrenic's Guide to Reality

Quando expliquei o passo-a-passo sobre como transformar um site em livro, deixei de fora o motivo para ter procurado uma ferramenta como essa, em primeiro lugar. Hoje, vou introduzir o personagem que me trouxe esta necessidade. 

Gosto muito do Stack Exchange enquanto ferramenta de busca, mas sempre me incomodou a burocracia do processo de realizar e responder perguntas. A página de instruções leva apenas alguns minutos para ser lida até o fim, mas deixa propositalmente de fora as regras explícitas mais comuns. Isso mesmo, até as explícitas. Por exemplo, perguntas vistas como repetidas (mesmo que você não concorde que é uma duplicata) serão fechadas e o usuário será punido por isso. Respostas curtas, diretas e sem fonte geralmente são negativadas. Não à toa, a maioria esmagadora dos usuários não se dá o trabalho de criar uma conta.

Foi numa crítica a este modelo, portanto, que descobri FSK. O nome de usuário não guarda qualquer relação com o nome real dele, que é anônimo. FSK  autodescreve-se como do gênero masculino, morador de Nova Iorque, anarcocapitalista/agorista, e programador de software financeiro.

Numa das suas publicações mais populares, StackOverflow Sucks!, FSK alega ter decidido que o site mais popular entre programadores e desenvolvedores do mundo inteiro é "uma porcaria" após ter "conduzido um experimento". Ele deixou duas perguntas, "O que você recomenda em termos de hospedagem?" e "Qual seria uma boa marca de HDD externo para comprar?", que foram prontamente negativadas, fechadas e deletadas por não se encaixarem nas instruções do site.

 

Há uma versão do Stack Overflow em português, mais leniente que a original.

 

Talvez a dissonância não tenha ficado clara, então acho que cabe aqui um adendo. As perguntas que ele fez não são "questões específicas sobre programação". Hospedagem e HDDs externos, muito pelo contrário, são desenvolvidos e anunciados com não-programadores como público-alvo. Observe que a interface é simplificada e enxuta e que os produtos são desenvolvidos com facilidade de uso como prioridade. O imediatismo da publicidade demonstra que pouco ou nenhum conhecimento prévio é necessário.

 

 

Produtos destinados a programadores utilizam linguagem mais extensa, porque estão lidando com um público que está acostumado ao jargão técnico. A prioridade dos produtos é auxiliar os usuários a promover inovação ou eficiência em seus próprios serviços. 

 

 

É claro que ninguém é obrigado a saber disso, especialmente quem não tem o conhecimento técnico que só é exigido de profissionais da área. Mas a análise do discurso de FSK mostra que não é bem o caso. Ele diz:

Está é uma excelente ilustração de como projetos descuidados de motores levam ao comportamento abusivo de uma comunidade online. (...) Quando eu escrever meu próprio motor de fórum, levarei em consideração o erro que sites como Digg, Wikipédia, Slashdot, Reddit, Hacker News e StackOverflow cometeram. Quanto mais vejo que estes sites são uma porcaria, mais percebo que eu poderia escrever um motor decente de fórum!"

Nunca vi um leigo dizer "motor de fórum". Quando eu disse isso, aqui mesmo, ouvi de amigos que tiveram que procurar no Google o que significava. Além disso, esse papo de "não gostei desta ferramenta, então vou fazer a minha" é endêmico das faculdades de computação. Os profissionais da computação que vieram de outras áreas (geralmente ciências da saúde ou exatas) dificilmente reproduzem este discurso. 

Felizmente, a dúvida não dura muito tempo e o próprio autor revela que escreveu um post similar, chamado "Ruby on Rails é uma porcaria!" (um dos meus favoritos de todos os tempos, farei um post só sobre ele), onde, na primeira linha do artigo, revela ser ter um "trabalho escravo como engenheiro de software, onde trabalho num projeto de desenvolvimento web". Percebi que estava diante de um engenheiro anarcocapitalista cujo ego, maior que o Sistema Solar, atrapalhava o desempenho do próprio trabalho. Foi amor à primeira vista!

O blog conseguiu chamar a atenção de ninguém menos que Jeff Atwood, um dos fundadores do StackOverflow, que lhe deixou um comentário bastante respeitoso. Atwood é bastante diferente de FSK em muitos pontos de vista: liberal-esquerdista, teve a humildade de reconhecer os erros de sua atitude inflexível no comando do StackOverflow, e um grande opositor ao discurso do "faça você mesmo". Aliás, já mencionei Atwood anteriormente, por ser um dos blogueiros que acompanho diariamente. 

Voltando ao comentário, Atwood pediu desculpas pela má experiência que o autor teve no StackOverflow, avisou que algumas mudanças haviam sido feitas desde então para corrigir os erros mencionados, e que um novo site seria criado em breve para tirar dúvidas que não fossem estritamente relacionadas à programação (já existe, aliás, é o Super User). FSK ignorou o comentário, provavelmente porque não pretende retornar ao site e não tem interesse nas mudanças que foram realizadas. 

FSK permaneceu impassível mesmo diante das dezenas de comentários explicando, claramente, que perguntas sobre HDD externos não são específicas sobre programação. Mas a forma com que ele lidou com os argumentos contrários é que me chamou mais a atenção. 

 

 

Ele está convencido de que StackOverflow - um site de perguntas e respostas sobre programação - foi "construído por e para pessoas malvadas. Se você não é malvado, então concorda com a minha análise. Se você é malvado, então discorda. É por isto que há opiniões fortes dos dois lados". É assim que ele lida com a dissonância cognitiva, fazendo uma análise binarista que divide os seres humanos entre "malvados" (que discordam) e "bonzinhos" (que concordam). Este traço é clássico em quadros de TPN (transtorno de personalidade narcisista) e fez-me suspeitar que ele seria um paciente psiquiátrico. 

Ele ainda aproveitou para lançar uma referência ao filme Matrix, o que, em 2010, já era um sinal de estar lidando com um redpiller (grupo conspiracionista machista que acredita que mulheres dominam o mundo através da escravização dos homens) ou um neonazista. Não encontrei nenhuma referência a mulheres ou judeus ainda, então a dúvida permanece. Mas o que importa é que ambas as comunidades estão repletas de indivíduos com doenças psiquiátricas e cujas saúdes dificilmente suportam a sobrevivência por muito tempo.

Não levou muito tempo. Nesta publicação de 2009, ele escreve:

Quando comecei a usar drogas psiquiátricas, não recebi uma explicação plausível com antecedência. Entrei em pânico, liguei para a emergência e terminei na ala psiquiátrica do hospital. Eu era um prisioneiro e não podia sair. (...) Fiz uma pesquisa e concluí que aquelas drogas realmente são perigosas e nocivas. 

Além disso, um ataque mânico é ótimo! O único aspecto negativo foi a parte em que meus pais ligaram para a emergência, psiquiatras me sequestraram e me drogaram à força. Hoje, já desfiz a maior parte da lavagem cerebral pró-Estado. Sinto-me mais alerta e mais consciente. 

(...) Havia mais um ponto interessante. "Em Uma Mente Brilhante, os delírios retratavam o protagonista como falando com uma pessoa imaginária, em vez da forma que os delírios realmente são". Na minha experiência, os delírios foram realmente que eu estava começando a ver coisas que estão realmente ali!

Ou seja, FSK é um paciente esquizofrênico com histórico de ataques mânicos e de pânico, internações forçadas e abandonos unilaterais de tratamentos. A maioria dos pacientes masculinos com esquizofrenia (incluindo os que seguem o tratamento) não alcança os 60 anos. O falecimento do autor era iminente e, como um anônimo, seria questão de tempo até o fornecedor da infraestrutura suspender o site por falta de pagamento. Os sete anos de blog sobre anarcocapitalismo, análises socioeconômicas e experiências tendenciosas com tecnologias baseadas no dilema "malvado"/"bonzinho" poderiam sair do ar a qualquer hora!

Daí, nasceu a necessidade de baixar os arquivos do blog antes que eles saíssem do ar. Felizmente, o HTTrack Website Copier já existia e poupou-me do esforço de ter que escrever meu próprio crawler, que provavelmente seria ineficiente e cheio de erros. FSK não publica um blog desde junho de 2014, sem mencionar nenhuma pausa ou mudança, o que, infelizmente, faz com que eu tema o pior.

Apesar disso, o site continua no ar, mesmo tendo sido migrado para um provedor que cobra pelo serviço. Meu chute é de que os anúncios do site estão cobrindo os custos da infraestrutura. Na época, ele estava pagando US$20/mês, mas ele pode tê-lo migrado para uma máquina de US$5/mês com o passar do tempo com a evolução tecnológica. 

FSK é um dos personagens que me motivaram a escrever este blog. O nicho comum entre tecnologia, sociedade, doenças psiquiátricas, economia e cultura popular está começando a ser explorado (Black Mirror é o mais recente expoente desta mistura) e preocupa-me como o olhar é sempre negativo, sempre retrógrado, sempre vigilante. FSK também é culpado disso, quando associa o projeto de comunidades online ao III Reich.

Para falar disso, precisava antes estabelecer este personagem (nada garante que ele é quem diz ser), já que ele traz perspectivas que eu não seria capaz de produzir, principalmente com relação aos julgamentos morais de ferramentas tecnológicas. Não se engane, esta é uma tendência acadêmica em ascensão, chamada Estudos Sociotécnicos, e já conta com dois programas de pós-graduação dedicados na UFRJ (um deles está no meu bloco).

Mas isto fica para outro dia. Por hoje é tudo, pessoal!

 

Comments

There are currently no comments

New Comment